Três fazendas do traficante “cabeça branca” avaliadas em R$ 262 milhões são apreendidas

 Os agentes da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai (Senad), acompanhados de promotores de Justiça, desapropriaram três fazendas do narcotraficante brasileiro Luís Carlos da Rocha, mais conhecido como “Cabeça Branca”, que está preso no Brasil. De acordo com o ministro da Senad, Arnaldo Giuzzio, apenas uma das três propriedades rurais está avaliada em mais de US$ 6 milhões.

Os bens estão avaliados em aproximadamente 68 milhões dólares, cerca de R$ 262,4 milhões.

Ele que o objetivo da desapropriação é quantificar todos os bens existentes do traficante no Paraguai para entregá-los à Secretaria Nacional de Bens Comissionados do Paraguai). Além disso, os agentes também estão trabalhando para recuperar outros bens que são fruto da estrutura criminosa complexa que lavou dinheiro da droga de “Cabeça Branca” para monetizar esses bens e devolvê-los para o Governo.

Arnaldo Giuzzio ressaltou que as três fazendas de gado são “muito importantes” em termos de seu alto valor e estão localizadas em Concepción e San Pedro. “São terras altamente produtivas com muita infraestrutura de primeiro nível para uso agrícola. Uma delas tem 1.400 hectares e um valor de cerca de US$ 6 milhões”, afirmou.